Máfia, desvio e corrupção em São Paulo

Explodiu mais um escândalo envolvendo funcionários públicos e os favorecimentos a empresas. Desta vez funcionários da prefeitura de São Paulo favoreceram construtoras ao cobrarem o ISS (Imposto Sobre Serviços) abaixo do valor estipulado. Alem disto, o grupo também adulterava o cadastro do IPTU para que os imóveis pudessem pagar um valor menor à prefeitura.

Num primeiro momento, pode-se olhar para os auditores como herois genuínos! Não fosse a atuação deles, capaz que bem menos empreendimentos imobiliários fossem realizados ou tivessem condições de permanecerem viáveis. O funcionário corrupto faz um bem à sociedade quando permite que as regras e as leis não sejam aplicadas totalmente, resultando em mais empreendimentos e maior geração de riqueza.

Entretanto, o louvor aos corruptos termina rapidamente. Decerto que são o resultado da lógica governamental que cria dificuldades para vender facilidades. Ao se corromperem facilitam a vida dos paulistanos que terão mais empregos e imóveis. Mas, a facilidade não está disponível para todos. Governos são experts em favorecer empresas com as quais se relacionam. Os auditores fizeram o mesmo.

Por mais que ajudar indivíduos e empresas a pagar menos impostos, ou seja, ajudá-los a não serem roubados, seja algo bom, poucos são os que se favorecem com esta manobra. A facilidade deu vantagem a um grupo de indivíduos, enquanto muitos outros eram penalizados com as auditorias feitas com toda a força da lei. A concorrência desleal é fruto deste favorecimento.

Politicamente, a atual gestão da cidade usará este episódio para erguer-se como defensora de transparência e eficiência. A corrupção divulgada retomará o debate sobre o aumento do IPTU e sobre como a cidade não consegue cumprir seus compromissos financeiros por causa de calotes como o do ISS e do IPTU.

O único lamento possível para os que defendem a liberdade é que não tenha existido um funcionário público, descontente com os absurdos totalitários dos impostos, para mudar o cadastro de todo o IPTU de São Paulo para “imóveis isentos” nem um vereador decente propondo corte de gastos e o fim da retenção do ISS na cidade, promovendo um crescimento real para toda população.

 

Publicado originalmente em Libertários.

Anúncios

Carta aberta sobre o IPTU aos Vereadores de São Paulo

Caro vereador,

O senhor votou a favor do aumento do IPTU. Venho, como cidadão de São Paulo, exercer a minha função de povo. A função do povo não é aceitar ou acatar às decisões tirânicas dos representantes eleitos, mas apontar a sua discordância para com o absurdo da decisão.

Monarcas foram depostos e mortos por aumentarem impostos. O senhor segue o mesmo rumo. Talvez o senhor não morra guilhotinado, enforcado, envenenado ou com uma espada atravessando seu pescoço ou ventre, mas há outras formas de matar políticos.

O seu nome estará sempre vinculado a este ato absurdo. Sua vida enquanto vereador estará sempre vigiada. Vigiarei suas contas, seus cargos, seus caminhos, seus emails e telefones. Enquanto povo, lutarei para que sua estadia no poder termine neste mandato. E que toda a sua descendência seja desmoralizada publicamente por terem o sangue tirânico que o levou a votar a favor do aumento do IPTU.

Este é o meu repúdio à sua pessoa.

A sua gangue conseguiu mais uma vez aumentar o roubo aos cidadãos honestos, mas não será fácil para nenhum de vocês. O povo acordou e pede a cabeça dos consumidores de impostos.
Deste pagador forçado de impostos,

Filipe Celeti
Filósofo, professor e poeta.