Sobre PSL, LIVRES, liberalismo e ciência política

13103421_10154053711504647_7184220592784599551_n

Muitos acontecimentos passam por nós sem darmos a devida importância a eles. À medida em que alguns deles se tornam fatos e temos de compreendê-los ou buscarmos encaixá-los em nossa visão de mundo, surgem muitos problemas por desconsiderarmos acontecimentos que escaparam de nossa percepção. Se acrescentarmos os níveis de ódio, repulsa e extremismo que marcam o nosso tempo, teremos como resultado uma menor compreensão e uma maior rotulação.

Desde a Grécia Antiga vivemos o debate acerta do rótulo. De um lado havia Parmênides (“O Ser é e não pode não ser. O Não-Ser não é e não pode ser de modo algum.”) com o seu Ser imóvel e imutável. Do outro lado havia Heráclito (“Não podemos nos banhar no mesmo rio duas vezes.”) com o constante devir. Parmênides pensava que as coisas são o que são. Heráclito, por sua vez, pensava que todas as coisas estavam em constante transformação. Assim, aquilo que hoje é pode não o ser amanhã. O debate Parmênides-Heráclito foi superado por Platão e a sua teoria das formas. Para ele, as ideias são imutáveis e a coisas estão em constante movimento.

O que o debate sobre o Ser tem a ver com rótulos? Ora, os rótulos são utilizados para fixar ideias às coisas. Ao rotular alguém de algo, rejeitamos a constatação de que as pessoas mudam, de que a natureza muda, de que a matéria está em constante movimento. Quando assumimos rótulos que foram dados por outros, podemos (e geralmente estamos a) julgar o outro e avaliar o outro sem o ver totalmente. Não temos acesso ao outro, vemos apenas o rótulo que antecede o ser.

É normal que no dia a dia utilizemos essas informações para tomadas de decisões conscientes ou inconscientes. Temos de ter rapidez para viver e partimos da ideia de que os rótulos foram colocados pelos outros para, muitas vezes, ajudar as pessoas a tomarem decisões, evitando que cometam má decisões.

O problema que quero tratar é quando o rótulo está fazendo com que as pessoas tomem decisões ruins. Neste momento, a necessidade de explicar as coisas, de desrotular, de despir é urgente. Este momento é o hoje e eu gostaria de discutir honestamente o conteúdo com vocês. Falo do PSL – Partido Social Liberal.

 

O PSL

Uma pesquisa rápida na Wikipedia mostra alguns acontecimentos que escaparam da análise de muitas pessoas. O PSL foi fundado em 1994 e conseguiu seu registro para participar de eleições em 1998. Isto significa que o PSL possui 18 anos de participação na política. O PSL não foi fundado recentemente, muito menos surgiu na onda do renascimento liberal brasileiro pós 2004.

Quando criticam o partido o colocam em comparação com o NOVO, um partido recém criado. Os problemas enfrentados por estes dois partidos são distintos. O primeiro precisa mostrar que está se reformulando internamente, o segundo precisa mostrar a que veio. Ambos terão as eleições municipais deste ano para que o eleitorado tome suas decisões. Isto não significa uma disputa ou guerra entre ambos, que fique claro.

Ainda sobre o PSL. Nestes 18 anos de atuação o partido conta com cerca de 200 mil filiados. São 200 mil pessoas que se filiaram, se elegeram e buscam se eleger. Pessoas de todas as índoles e com divergências políticas profundas. Isto ocorre com todos os partidos. Até o direitista tucano mais extremo está dentro de um partido no qual existe uma ala chamada Esquerda Pra Valer (EPV).

 

LIVRES

O PSL está em transformação. Isto significa que desde 2015 a diretoria nacional quer dar uma nova cara ao partido, tornando-o um partido mais ideológico e menos personalista. Esta mudança ideológica busca um retorno às bases sobre as quais o partido foi fundado, o social-liberalismo.

Esta renovação tem sido encabeçada pelo LIVRES, uma ala nova dentro do partido que está brigando para que o partido dê uma guinada ao liberalismo social. Significa abraçar as causas da liberdade econômica e social, isto é: simplificar a burocracia estatal; acabar com o favorecimento a grandes corporações, indústrias que promovem os vencedores escolhidos por canetada; defender liberdades civis como liberação da maconha e porte de armas; enxugar a administração pública etc. Tudo para que os menos favorecidos da sociedade possam viver num ambiente no qual possam se desenvolver, crescer e viver com dignidade, com uma economia estável e sem dificuldades inventadas pelos burocratas para venderem facilidades.

Toda esta reformulação é um processo. Partidos políticos possuem estatuto e ninguém chega dentro de um expulsando pessoas ou ditando regras aos outros. Mudanças internas em partidos demoram tempo e houve muito pouco tempo de 2015 para 2016. Significa que ainda há 200 mil filiados, num país extenso, num país no qual a política é vista com ódio. Ódio este multiplicado ainda mais diante das constantes crises econômicas e políticas.

 

Ciência Política

Fazer política num país como o Brasil é difícil. Ainda mais quando um partido quer ser um partido ideológico (algo que não funciona no Brasil se o desejo é se eleger). Fazer política e defender a liberdade na realidade política é mostrar para o eleitor médio os benefícios da liberdade para suas vidas.

Fazer política não é agradar a todos. Fazer política não é fazer teoria política e nem debater filosofia política. Fazer política é traduzir questões complexas e técnicas para que todas as pessoas possam compreender o que você propõe e serem convencidas de que aquilo que foi proposto pode ser realizado e vá de encontro com as necessidades e anseios delas próprias.

Portanto, compreender quem é o PSL, o que o LIVRES está fazendo, quais são seus limites e quais são as suas possibilidades é imprescindível para que o debate político não fique limitado aos rótulos que os odiadores insistem em colocar. O mundo não é aquilo que amo ou odeio. O mundo é uma possibilidade e há muita gente querendo se aventurar na construção de um mundo melhor. Faça parte da mudança ou embarque no trem do ódio e assista a tudo sentado na janela dos escarnecedores.